quarta-feira, julho 29, 2015

quarta-feira, julho 23, 2014

Flores de luto

Flores sobre restos
de destroços fumegantes
o luto possível
por sinistrados
viajantes.
Dor expostado sofrimento
escondido.
A resposta
em gesto
comedido.
 
 

domingo, julho 06, 2014

https://docs.google.com/presentation/d/1cb5G1Zt34NW_f35deEs-R72CnXv5US_AH6Z1cFIoq08/pub?start=true&loop=false&delayms=3000

domingo, junho 29, 2014

Passeio com cães


 
 
O cão fiel amigo,

Mas um de cada vez

Quase merece castigo

Quem estas contas não fez

 

O “barbado “ da Terceira

Mais a cocker inglesa

Em toda e qualquer feira

Teriam prémio de beleza

 

A caminhada não é longa

E quase sem curva.

Mas a muitos assombra

E até mesmo perturba.

 

Caminhar a direito

Com a língua de fora.

É caminhar a preceito

Que o “Júnior já adora

 

A cocker pelo muro

O “barbado” a ele colado.

É artifício do homem-guia
Para não se ver desfeiteado


segunda-feira, maio 05, 2014

traços humanos

Traços humanos 

na terra dos homens

linhas demarcando

o mais universal
dos bens.




Adornam a natureza

E simbolizam a posse

Ganham
em beleza


fosse
como fosse




Terra
humanizada


com
sebes vivas


Terra
assenhoreada


com
marcas incisivas


sexta-feira, novembro 22, 2013

Sol da manhã

O sol sobre o mar
Ergueu-se majestoso
Na terra vai tornar
Tudo belo, tudo vistoso...

Rei do dia
Vencedor da noite
Penhor de alegria
Da escuridão açoite.

Cada dia nasce
Cada dia fenece
Sem ele a face
Do mundo escurece.

Prenda renovada
Em cada manhã.
Presença ansiada
Abraço de lã

Da harmonia das esferas,
És o zeloso guardião
Sobre tudo imperas,
Oh sol da minha afeição.